Ministro Celso de Mello divulga íntegra de vídeo de reunião ministerial

Segundo o STF, o ministro decidiu divulgar a íntegra da gravação, com excessão apenas de trechos "em que há referência a dois países com os quais o Brasil mantém relação diplomática"

22/05/2020 - O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), retirou, na tarde desta sexta-feira (22/5), o sigilo e permitiu a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, cuja gravação foi apontada pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro como uma das provas na investigação de suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro nas investigações da Polícia Federal.

"Determino o levantamento da nota de sigilo imposta em despacho por mim proferido no dia 08/05/2020 (Petição nº 29.860/2020), liberando integralmente, em consequência, tanto o conteúdo do vídeo da reunião ministerial de 22/04/2020, no Palácio do Planalto, quanto o teor da degravação referente a mencionado encontro de ministros de Estado e de outras autoridades", escreveu o ministro na decisão.

Botava esses vagabundos na cadeia, começando pelo STF, disse Weintraub
"Assinalo que o sigilo que anteriormente decretei somente subsistirá quanto às poucas passagens do vídeo e da respectiva degravação nas quais há referência a determinados Estados estrangeiros", afirmou Celso de Mello. Moro deixou cargo em 24 de abril, após Bolsonaro exonerar o então diretor-geral da PF Maurício Valeixo. O ex-juiz alegou que não tinha sido infomado da decisão.

Segundo o STF, o ministro decidiu divulgar a íntegra da gravação, com exceção apenas de trechos "em que há referência a dois países com os quais o Brasil mantém relação diplomática".

Trechos
O vídeo confirma informações que já haviam sido divulgadas. Como a que o presidente falou que não iria esperar "foder" a família dele, bem como teria chamado o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) de "bosta". Outra informação confirmada é a de que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, chamou Brasília de "porcaria" e "cancro".

Em outra parte, Bolsonaro enfatiza que os ministros deveriam concordar com as "bandeiras dele". Caso contrário, esperassem "em 2022 o Álvaro Dias, o Alckmin, o Haddad ou talvez o Lula e vá ser feliz com eles". Uma das ideias é o armamento. O presidente disse querer armar toda a população para que as pessoas pudessem reagir ao que chamou de ditadura. Nas palavras de Bolsonaro, "é facílimo" instaurar uma ditadura no Brasil. O presidente referia-se às decisões de governadores e prefeitos acerca do fechamento do comércio.

Outra declaração polêmica do ministro da Educação diz respeito ao STF. "O povo está gritando por liberdade. Eu por mim botava todos esses vagabundos na cadeia, a começar pelo STF", disse Weintraub.