José Bonifácio sempre se dedicou a servir a população como político ou como administrador de órgão público, sendo um político ético, que sempre visou o bem estar do povo brasileiro, especialmente ao da Região dos Lagos, por ser habitante de Cabo Frio.

Hoje Bonifácio é candidato a Senador, pelo PDT trazendo toda a bagagem de quem já foi duas vezes prefeito de Cabo Frio. E com toda esta sua experiência vai lutar e conseguir implantar para a nossa região, a Universidade Pública Federal e a recuperação da Lagoa de Araruama.

O Jornal Tamoios traz para seus leitores uma entrevista com José Bonifácio, para que todos tomem conhecimento de sua vida e de seus pensamentos.

1- José Bonifácio, o senhor nasceu, criou família e sempre morou em Cabo Frio? É um típico representante de nossa cidade? O que Cabo Frio representa em sua trajetória de vida?

Sim, sou natural de Cabo Frio. Essa cidade faz parte de mim. Onde comecei minha trajetória política. Fui eleito vereador do município em 1972 e posteriormente prefeito.

2- O senhor tem uma grande carreira política não só em cargos não eletivos, como em cargos eleitos pela população. Pode nos dizer qual a sua experiência profissional e política?

Eu sou economista, formado pela Universidade Federal Fluminense e já passei por diversos cargos políticos. Já fui vereador, prefeito, deputado estadual, fui diretor-geral do Departamento das Municipalidades do Governo do Estado do Rio de Janeiro pelo então governador fluminense Leonel Brizola. Também fui presidente do Procon no estado do Rio de Janeiro, entre outros cargos. Experiências que me fizeram conhecer bem as necessidades do nosso estado e que carrego comigo nessa campanha.

3- José Bonifácio, o senhor é candidato ao Senado, sendo o único representante da Região dos Lagos. Por que se candidatou? Qual será seu trabalho, se for eleito, para os municípios de nossa região?

O Rio vive um grave momento de crise, é preciso que nossos representantes no Senado estejam preparados e tenham experiência pra enfrentar essa questão. Ninguém conhece esse estado como eu. Estou pronto para lutar pelo Rio e pelos nossos municípios. Quero ser o senador do interior. Minha principal bandeira para a nossa região, será a Universidade Pública Federal e a recuperação da Lagoa de Araruama.

4- A classe política está bastante desgastada devido a uma série de processos criminais existentes contra políticos. Como o senhor vê este momento atual? De certa forma este fato é responsável pela crise brasileira, em seus vários aspectos?

A população já não aguenta mais tantos escândalos. E nestas eleições ela tem a chance de mudar e escolher pessoas sérias e comprometidas. Sem dúvidas é um fato que tem ligação direta com a crise. Mas eu acredito no nosso país, acredito que podemos mais, por isso sou candidato, pra fazer a diferença.

5- A Lei da Ficha Limpa retirou 173 candidatos das próximas eleições de outubro. Porém existem vários candidatos que continuam em campanha, seguindo o exemplo de Lula que tentou de várias formas ser candidato a Presidente da República, apesar de estar preso. Que significado tem esta lei, criada pela própria sociedade, para a classe política? Por que tanta reação contrária dos políticos, de modo geral?

A Lei da Ficha Limpa é um dos mais importantes instrumentos de combate a corrupção do nosso país. Quem a rejeita não tem compromisso com a ética. Precisamos fortalecer a lei e trabalhar pelo fim da impunidade.

5- A violência é fato concreto em todo o país, atingindo desde cidades pequenas até as grandes metrópoles. Como o senhor analisa o fato de termos chegado a este ponto?

Uma das minhas principais propostas, é a de modificar a legislação para que a segurança pública também seja responsabilidade do Governo Federal, não dá pra deixar tudo na mão dos governos estaduais. Precisamos de uma política integrada. Quero também lutar pela criação de presídios-fábrica e presídios-escola. Outro ponto importante é a falta de investimentos na educação. Como bem dizia Darcy Ribeiro, “Se os governantes não construírem escolas, em 20 anos faltará dinheiro para construir presídios”. É preciso investir na educação, na capacitação de jovens.

6- Como o senhor vê a possibilidade do Brasil sair desta imensa crise, não só econômica, mas também a crise social, devido a falta de soluções para a saúde, a educação, a segurança, e o emprego, entre outros?

Um ponto fundamental é rompermos com essa divisão instaurada na sociedade. Precisamos de um presidente que unifique o país, com um plano de desenvolvimento sério. É hora de olharmos para o futuro. Este é o meu compromisso. Lutar para diminuir as desigualdades sociais.

7- Existe como um Senador da República ajudar na solução destes problemas tão cruciais para toda a sociedade?

O senador tem um papel essencial, todas as leis e reformas passam pelo Senado Federal. As questões tributárias, previdenciárias, trabalhistas, eleitorais. É fundamental que tenhamos no Senado, representantes comprometidos com o povo, com os mais pobres, com os trabalhadores e a soberania nacional.

8- Em todas as sociedades, segmentos e classes existem as minorias. Muitas leis são feitas visando suas defesas, mas grande  parte não são efetivas e nem cumpridas. Inclusive existem candidatos que se mostram opositores dos mais variados tipo de minorias. Qual a sua visão diante das minorias?

Não podemos mais aceitar o desrespeito a essa população. Eu quero no senado ajudar a combater e a diminuir as desigualdades. Eu quero trabalhar muito para combater o racismo, a intolerância religiosa. Para construir um Brasil mais justo e mais igual para todos.

9- Tamoios sempre foi visto pelos governantes como o "primo pobre" de Cabo Frio. Tendo sido prefeito de Cabo Frio por dois mandatos, pergunto por que sempre sofremos com a falta de realização de grandes projetos para Tamoios?

Não existem justificativas para o descaso com que Tamoios foi tratado nesses últimos vinte anos, onde o dinheiro foi abundante nos cofres públicos de Cabo Frio. No meu governo, com poucos recursos, fizemos muito mais do que na era de ouro, construímos a Escola Municipal Amélia Ferreira, o Posto de Saúde de Unamar, o CIEP Lizia Bernardes a Escola Municipal Edith Castro, a Creche Profa. Maria José Barroso, a Escola Municipal Nilo Batista, a desapropriação da Fazenda Campos Novos, entre muitas outras ações que foram fundamentais para o desenvolvimento de Tamoios.

9- Qual é o diferencial entre o senhor e os outros candidatos? Por que devemos colocá-lo no Senado? Qual será seu trabalho nesta casa?

Eu não sou melhor do que ninguém, mas ninguém conhece o estado e o interior como eu. Os presídios no Estado do Rio hoje são escolas de mestrado e doutorado para o crime. Um dos meus trabalhos será pela criação de presídios-escola e presídios-fábrica para o presidiário possa trabalhar e ter uma profissão.

10- O que o senhor tem a dizer para a população de modo geral e especificamente para a população de Cabo Frio?

Quero pedir a todos que acreditem num Brasil melhor. Não há outra maneira de mudarmos isso, senão nas urnas. Quero pedir mais um voto de confiança a esse povo que confiou em mim essa cidade por dois mandatos. Estou com 73 anos, mas com a mesma motivação para combater as desigualdades. A mesma disposição quando aceitei ser prefeito de Cabo Frio.