Saúde faz alerta no Dia Nacional de Combate à Sífilis

Rede municipal de Saúde oferece tratamento contra a doença através do Hospital Dia, que é referência na Região dos Lagos

Neste sábado (21) é celebrado Dia Nacional de Combate à Sífilis, doença sexualmente transmissível (DST) que causa feridas, dores musculares e complicações graves, que podem chegar a morte, durante os vários estágios da doença. Em Cabo Frio, o Hospital Dia, que é referência no tratamento da patologia e demais DSTs em toda a região, registrou um aumento em 300% nos casos de sífilis entre os anos de 2016 e 2017. O aumento é mais significativo entre os jovens.

Segundo a médica infectologista da unidade, Apparecida Castorina, o aumento de casos na cidade é um panorama do acréscimo que vem acontecendo em todo o Brasil. Em apenas cinco anos, o número de casos de sífilis aumentou 5.000%, segundo dados do Ministério da Saúde (de 1.249 em 2010, para 65.878 em 2015).

“Os dados são realmente preocupantes e esses números nos assustam muito. É necessária a prevenção da doença e a conscientização da necessidade do uso da camisinha em todas as relações sexuais, inclusive no sexo oral. As pessoas esqueceram o uso dos preservativos após avanços no tratamento do HIV”, afirmou a médica.

A doença

A sífilis também pode ser transmitida através da transfusão de sangue ou contato direto com sangue contaminado, ou ainda, no caso da sífilis congênita, por via vertical da gestante para o filho. Essa última é uma das formas mais graves, pois pode causar abortamento ou má formação no feto, como alterações ósseas, surdez, cegueira, dificuldades no aprendizado e retardo mental.

A doença apresenta, geralmente, três estágios. Após ser infectada, a pessoa passa por um período de 10 a 90 dias de incubação. Os primeiros sintomas são feridas no local por onde a bactéria infectou o corpo, geralmente nas partes genitais. Estas feridas não doem, não coçam e não ardem, e somem sem o tratamento. No segundo estágio, a sífilis se espalha pelo corpo provocando manchas vermelhas na pele, dores musculares, febres e outros. Estes sintomas também podem desaparecer sozinhos. Após os dois primeiros estágios, a doença pode permanecer oculta por anos e reaparecer em sua forma mais grave, com inflamação e destruição de tecidos e ossos, que podem levar à morte.

O diagnóstico da doença pode ser feito por meio de um exame de sangue ou da raspagem da ferida que aparece na primeira fase da doença. A sífilis tem cura através de medicamento específico e com acompanhamento médico. Uma pessoa infectada carrega os anticorpos referentes à bactéria da doença para a vida toda. Logo, mesmo pessoas já curadas irão apresentar resultados positivos na realização de exames.

Sífilis congênita

A sífilis passada da mãe para o filho é uma das formas mais preocupantes da doença, acarretando consequências graves, como aborto ou morte do bebê, ou doenças graves para os recém-nascidos. Por isso, é importante fazer o teste para detectar a sífilis durante o pré-natal e, quando o resultado é positivo, tratar corretamente a mulher e seu parceiro. Só assim se consegue evitar a transmissão da doença para o bebê.

O tratamento

A rede municipal de saúde de Cabo Frio oferece o tratamento contra a doença através do Hospital Dia, que é referência na Região dos Lagos no tratamento de doenças sexualmente transmissíveis. Após diagnosticado, o paciente é encaminhado à unidade. Os procedimentos ambulatoriais, como triagem e realização de exames, são feitos no Posto de Assistência Médica (PAM) de São Cristóvão. As demais etapas do tratamento e o suporte ao paciente são feitos no hospital.

A unidade também realiza o acompanhamento de crianças nascidas de mães com a doença ou já infectadas. A unidade conta com equipe de médicos pediatras e infectologista, além de enfermeiros e farmacêuticos. O hospital está localizado na Rua Expedicionário da Pátria, no bairro São Cristóvão.

 

 


Pesquisa interna