Hospital Dia alerta para aumento dos casos de AIDS e sífilis em Cabo Frio

Programa Municipal de IST/AIDS/Hepatites Virais está à disposição da população para orientações, tratamento e profilaxia

Passada a festa do Carnaval, tradicionalmente aumenta a procura por serviços de atendimento e informação sobre infecções sexualmente transmissíveis (IST), HIV/AIDS e hepatites virais. Em Cabo Frio, o Hospital Dia é a unidade de referência para o assunto.

No local são feitos os procedimentos de orientação a testes, tratamento e profilaxia de várias doenças. O teste rápido feito na unidade de maneira gratuita dá o diagnóstico para HIV, sífilis, hepatites B e C.

“Além do teste rápido, oferecemos o serviço de profilaxia pós-exposição ao HIV (PEP), que é uma medida de prevenção à infecção pelo HIV que consiste no uso de medicação em até 72 horas após qualquer situação em que exista risco de contato com o HIV, tais como violência sexual; relação sexual desprotegida (sem o uso de camisinha ou com rompimento da camisinha); e acidente ocupacional (com instrumentos perfurocortantes ou contato direto com material biológico)”, explicou a médica infectologista Aparecida Castorina Monteiro, coordenadora do Programa Municipal de IST/AIDS/Hepatites Virais de Cabo Frio.

A PEP utiliza medicamentos antirretrovirais que agem evitando a sobrevivência e a multiplicação do HIV no organismo e, por isso, deve ser iniciada o mais rápido possível, preferencialmente nas duas primeiras horas após a exposição ao vírus, e no máximo em até 72 horas. O tratamento dura 28 dias e a pessoa deve ser acompanhada pela equipe de saúde por 90 dias. É bom salientar que a PEP é uma medida preventiva de emergência e, por isso, não serve como substituta à camisinha.

Aumento no número de casos entre jovens preocupa as autoridades

No ano passado, o Hospital Dia registrou cerca de 130 novos casos de pessoas com HIV em Cabo Frio. Somente em janeiro deste ano, já houve cinco novos registros. Segundo a médica infectologista Aparecida Castorina, nos últimos três anos também aumentou muito o número de casos de HIV entre jovens na cidade, com prevalência entre homens que fazem sexo com homens (HSH). No total, o Hospital Dia tem, hoje, 903 pessoas cadastradas e em tratamento.

Em 2014 o Ministério da Saúde tornou obrigatória a notificação de casos de HIV no país. Isso significa que todos os serviços de saúde devem informar todos os novos casos ao órgão; antes, esse dado era feito a partir de amostragem em estudos isolados. O HIV é notificado no momento do resultado do teste, se positivo.

Outra preocupação da médica é com o aumento significativo nos casos de sífilis. “É uma tendência nacional: o Ministério da Saúde registrou um aumento de 27,9% nos casos em 2016. As pessoas precisam se prevenir. O que temos visto é que muitas pessoas que nos procuram não se preocupam com o uso do preservativo no sexo oral, que é, também, uma forma de contágio e transmissão da doença”, explicou.

O que é o HIV? - HIV é a sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana. Causador da Aids, ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. As células mais atingidas são os linfócitos T CD4+. E é alterando o DNA dessa célula que o HIV faz cópias de si mesmo. Depois de se multiplicar, rompe os linfócitos em busca de outros para continuar a infecção.

Ter o HIV não é a mesma coisa que ter Aids. Há muitos soropositivos que vivem anos sem apresentar sintomas e sem desenvolver a doença. Mas podem transmitir o vírus a outras pessoas pelas relações sexuais desprotegidas, pelo compartilhamento de seringas contaminadas ou de mãe para filho durante a gravidez e a amamentação, quando não tomam as devidas medidas de prevenção. Por isso, é sempre importante fazer o teste e se proteger em todas as situações.

A Aids é notificada se o indivíduo aparece no hospital com alguma doença oportunista (como câncer ou infecções) ou com a imunidade muito baixa; se, durante o tratamento dessas doenças, o paciente faz o teste de HIV e ele dá positivo, o caso é notificado como Aids

Assim pega: Sexo vaginal sem camisinha; sexo anal sem camisinha; sexo oral sem camisinha; uso de seringa por mais de uma pessoa; transfusão de sangue contaminado; da mãe infectada para seu filho durante a gravidez, no parto e na amamentação; instrumentos que furam ou cortam não esterilizados.

Assim não pega: Sexo desde que se use corretamente a camisinha; masturbação a dois; beijo no rosto ou na boca; suor e lágrima; picada de inseto; aperto de mão ou abraço; sabonete/toalha/lençóis; talheres/copos; assento de ônibus; piscina; banheiro; doação de sangue; pelo ar.

O Hospital Dia fica localizado na Rua Expedicionários da Pátria, s/nº, em São Cristóvão, atrás do Hospital Municipal São José Operário. O atendimento de rotina é feito de segunda à sexta-feira, das 8 às 17h. O telefone do Hospital Dia é (22) 2645-3481.


 


Pesquisa interna