Prefeitura de Cabo Frio adere à campanha do Governo do Estado “RJ contra o Sarampo”

População entre seis meses e 49 anos deve ser vacinada

13/01/2020 - A Prefeitura de Cabo Frio aderiu nesta segunda (13) à campanha “RJ contra o sarampo”, promovida pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), que convoca a população entre seis meses a 40 anos a procurar uma das unidades de saúde do município para se imunizarem contra a doença. A medida reforça a intensificação realizada no ano passado. A iniciativa vai até 13 de março.

O esquema vacinal da campanha será: 01 dose em crianças de 06 meses a 11 meses e 29 dias; 02 doses: para a população de 01 ano a 29 anos, 11 meses e 29 dias com intervalo de 30 dias; 01 dose: deverá ser considerada 01 dose para a população de 30 a 49 anos, 11 meses e 29 dias.

De acordo com a SES, a expectativa é de que ocorra mais de dez mil casos da virose este ano, doença que em 2016 era erradicada do país. A vacina contra o sarampo faz parte do calendário de rotina, ou seja, está à disposição o ano inteiro, contudo, por determinação do governo do estado, a orientação é de que a população se dirija às unidades para se imunizar.

No entanto, devido às fortes chuvas que ocorrem em Cabo Frio desde a madrugada desta segunda, algumas unidades de saúde não estão funcionando: ESF e UBs Porto do Carro; UBS Itajuru; UBS Praia do Siqueira; Manoel Corrêa; Jardim Nautilus; Cajueiro; Gamboa; Samburá; Araçá; Parque Burle; Monte Alegre; Jardim Caiçara; Boca do Mato; Vila do Sol.

Transmissão

O sarampo é uma doença altamente contagiosa, sendo transmitida por meio da fala, tosse e espirro. A pessoa com sarampo pode apresentar mal-estar geral, febre, manchas vermelhas que aparecem no rosto e vão descendo por todo o corpo, tosse, coriza e conjuntivite.

Quem deve se vacinar

Todas as pessoas entre seis meses e 49 anos devem se vacinar. É recomendado que a população leve sua caderneta de vacinação na ida ao posto de saúde.

Contraindicações

Pessoas com suspeita de sarampo, imunocomprometidas, gestantes e crianças com menos de seis meses não devem receber a vacina. Alérgicos a proteínas do leite de vaca devem informar a condição ao profissional de saúde no posto de vacinação para que recebam a dose feita sem esse componente.